Estar sempre relembrando...
recordando o que entre nós
se passou...

Desculpe-me por...

Ainda trazer no pensamento
a cena de certos momentos,
que ocorreram nas nossas
muitas noites de amor...

Desculpe-me...
mas você mesma disse,
confessou, que são
lembranças difíceis de esquecer...

Desculpe-me, amor...

Por ainda querer,
sentir aquele carinho,
aquele abraço apertado,
apaixonado...

E os beijos...?
Ah, que beijos...!

Desculpe-me por...

Sentir falta,
do amor que tu fazias,
do toque de tuas mãos,
que meu corpo percorria,
em busca de mais prazer...

Desculpe-me ainda, por...

Duvidar que tu mesma,
não sente falta
daquele beijo,
que eu dava,
uma leve chupada
na tua pele lisinha,
que ficava no mesmo instante
todinha arrepiada...

Desculpe-me, também, por...
 
Duvidar eu mesmo,
 que um outro amor possas ter,
que te dê o mesmo prazer.

Que te deixe extenuada,
suada, molhada,
extasiada...
saciada.

Desculpe-me por...

Prender-me nessa lembrança,
de agir como criança,
fazendo as minhas verdades
parecer pirraça ou dengo...

Mas, é que foi tão gostoso,
que ainda trago o gozo,
latente, presente,
vivo, dentro de mim...

Desculpe-me por,
relembrar tudo isso,
mas, que fazer ?
Eu sou assim...


Um ser tão solitário,
que traz no peito guardado,

como se fosse um relicário,
lembranças do nosso amor !


José Maciel
26-04-2001


Para enviar esta mensagem, clique na imagem

E-mail

Livro de Visitas

Quer receber atualizações? Clique aqui